Banda: Lou Reed & Metallica
Álbum: Lulu
Data de Lançamento: 31 de Outubro de 2011
Editora: Warner Bros.
Género: Hard Rock/Heavy Metal
País: E.U.A.

Myspace | Facebook | last.fm

Membros:

Lou Reed – Voz
James Hetfield – Voz, Guitarra
Kirk Hammett – Guitarra
Robert Trujillo – Baixo
Lars Ulrich – Bateria

 Membros Convidados:

Sarth Calhoun – Electrónicos
Jenny Scheinman – Violino, Viola, Arranjos de Cordas
Megan Gould – Violino
Ron Lawrence – Viola
Marika Hughes – Violoncelo
Ulrich Maas – Violoncelo
Rob Wasserman – Contra-baixo Eléctrico
Jessica Troy – Viola


Alinhamento:
Disco 1
01. Brandenburg Gate
02. The View
03. Pumping Blood
04. Mistress Dead
05. Iced Honey
06. Cheat On Me

Disco 2
01. Frustration
02. Little Dog
03. Dragon
04. Junior Dad

O que é que acontece quando se juntam dois dos maiores nomes da história do rock? “Lulu” é uma colaboração que tem tanto de inesperado, como de descabido. LOU REED, uma estrela (quase) esquecida, e METALLICA, uma estrela cadente, são ambos conhecidos pelas páginas que ocupam na história, mas são apenas fantasmas do sucesso que alcançaram. LOU REED ‘não é’ mais o génio de THE VELVET UNDERGROUND – é um facto. E os METALLICA têm vindo a perder o fulgor, ano após ano, com as suas sucessivas tentativas de parecerem novos o suficiente  para escrever algo como escreviam nos anos 80.

Não querendo entrar em comparações com os sucessos do passado de ambas as partes, “Lulu” é só por si um álbum aborrecido. Penoso. Fraco. E as suas líricas vazias não ajudam em nada. As guitarras estão completamente fora do tom da voz de Lou Reed, fazendo parecer que as músicas são gravações de karaoke amador. James Hetfield não fica muito atrás, atirando palavras sem um mínimo de sentido e de afinação. Não é de espantar que os melhores momentos de “Lulu” são pequenas passagens instrumentais, onde surgem um ou outro riff mais interessante. E também não é de espantar que Lars Ulrich continue com os seus básicos batimentos de assinatura. E a pior parte é que os riffs são repetidos até à exaustão, aborrecendo ainda mais ouvinte.

Em suma, é realmente um desperdício de tempo ouvir os quase 90 minutos de som que “Lulu” oferece. Independentemente do talento natural dos cinco músicos principais envolvidos, este álbum consegue ficar na história pela negativa. Acabar a análise de um modo cliché? Claro – esta é, provavelmente, a pior colaboração da década.

Deixo o resto à vossa guarda,
Nuno Bernardo

 Classificação: 32/100

Related Posts

2 Responses

Leave a Reply

Your email address will not be published.