Banda: Lazarus A.D.
Álbum: Black Rivers Flow
Data de Lançamento: 1 de Fevereiro de 2011
Editora: Metal Blade Records
Género: Thrash/Groove Metal
País: EUA

MySpace | Site Oficial | last.fm

Membros

Jeff Paulick – Voz, Baixo
Dan Gapen – Guitarra, Voz Suporte
Alex Lackner – Guitarra
Ryan Shutler – Bateria

Alinhamento
01. American Dreams
02. The Ultimate Sacrifice
03. The Strong Prevail
04. Black Rivers Flow
05. Casting Forward
06. Light A City (Up In Smoke)
07. Through Your Eyes
08. Beneath The Waves Of Hatred
09. Eternal Vengeance

Os LAZARUS A.D. são um dos vários nomes do thrash moderno apontados ao revivalismo do ‘old school thrash’ da década de 80. Com eles, surgiram outros nomes (ora mais tarde, ora mais cedo) como EVILE, SKELETONWITCH, MUNICIPAL WASTE, BONDED BY BLOOD ou GAMA BOMB. O seu segundo álbum de originais é aqui destacado, alguns dias antes do seu lançamento oficial. Segue então analisado Black Rivers Flow.

No primeiro álbum – The Onslaught – o jovem grupo não guardou trunfos e jogou-os todos à mesa, lançando assim um dos mais aclamados álbuns do género dos últimos anos ou até da década de 2000. Iniciando então a viagem deste sucessor, “American Dreams” abre o álbum de uma forma um tanto enfadonha. Algo até que a própria faixa do álbum já parece denunciar. “The Ultimate Sacrifice” dá um puxão ao som, compensando consideravelmente a primeira faixa. A sua entrada é brutal, de puro thrash e acompanhada de estrondosos blast beats. O refrão acaba por relembrar alguns temas de PANTERA e de, mais recentemente, AVENGED SEVENFOLD. Os riffs de puro thrash revivalista continuam com “The Strong Prevail”, mas o ponto mais alto do álbum chega na faixa-título. “Black Rivers Flow” é grandiosa, com um main riff de cortar a respiração. Com tal som tipicamente americano, o refrão até podia ser dos compatriotas TRIVIUM na era do álbum The Ascendancy.

Depois de uma estreia tão ambiciosa e poderosa, com um metal verdadeiramente preciso e exemplo do que se fazia nos anos 80 – Conseguiram reproduzi-lo em The Onslaught – mas este segundo álbum são imensos passos atrás nesse feito. Em alguns temas como “Casting Forward” e “Light A City (Up In Smoke)” parecem ter sentido a necessidade de incorporar elementos de bandas do metal moderno norte-americano mais mainstream, como é o caso de SLIPKNOT, TRIVIUM ou SHADOWS FALL. “Through Your Eyes” é mais um exemplo disso. Não que estas bandas sejam más ou façam má música. Pelo contrário até, há que saber distinguir gostos de qualidade no género. Mas LAZARUS A.D. não seriam um nome de referência no género, de maneira nenhuma. “Beneath The Waves Of Hatred” reforça a ideia de que este álbum podia ser muito melhor. O revivalismo parece ter ficado no álbum de estreia, assim como o som próprio que a banda já teria desenvolvido. “Eternal Vengeance”, por final, mostra-se uma faixa de entrada calma, com uma voz cantada e com um acústico que lembra METALLICA. O tema sofre então uma explosão, apesar do riff parecer algo colado e sem grande ligação ao anterior. Jeff Paulick volta então à sua voz habitual, misturando-a depois com passagens ‘limpas’ no refrão. Em suma, à voz falta a alma carregada de raiva sentida no álbum de estreia; os riffs traduzem-se alguns intensos, outros carecem de falta de trabalho embora funcionem bem e sejam competentes; já a bateria arrasa nos momentos de blast beat e double drumming, mas há poucos momentos desses.

Lembrando que o primeiro álbum foi lançando em 2007, por eles próprios, tendo vindo a ser reeditado em 2009 pela toda-poderosa Metal Blade Records. Não querendo apontar o dedo, mas esta mudança de musicalidade pode ter tido a influência da editora. Antes do seu lançamento, foi revelado que este Black Rivers Flow iria conter um som mais groove. Sim, é verdade. Não apenas mais groove, mas quase totalmente groove. E para quem parecia ter potencial para uma grande banda de thrash dos tempos modernos, a esperança desvaneceu-se.

Deixo o resto à vossa guarda,
Nuno Bernardo

Classificação: 64/100

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.