Pela terceira vez o colectivo A BESTA junta-se à CULTURA NO MURO para celebrar A BESTA E O MURO. Repete-se a utilização de dois espaços na SMUP (Parede) com o sótão e o salão dividindo as despesas por entre a tarde e a noite, a 16 de Abril.

Como vai sendo como vai sendo igual costume, a estreia de novos projectos no seio do colectivo A Besta marcam a apresentação: pelas 17h30, com Projéctil, novo duo que une André Calvário e Tiago Eira (baterista e teclista, respectivamente, de a-nimal) e à noite, no salão, Quinteto Cardíaco, conjunto de 5, ou mais, membros do colectivo, em universo exploratório e improvisado. Há ainda que adicionar Cicuta, Sar e Bleandante para concluir o cartaz.

Segue-se o programa detalhado:

Sótão SMUP
17h30 – Projéctil – “Projéctil é o corpo embrulhado num lençol deixado na fábrica abandonada, a apodrecer, para nunca mais ser encontrado. É a nuvem de fumo e o forte odor a queimado, vindo do quarto. É o tombar inaudível do encontro do indivíduo com a sua natureza. Numa experiência sonora com raízes industriais, André Calvário (baixo/electrónica) junta-se a Tiago Eira (sintetizador/electrónica), de forma a explorar paisagens sonoras electrizantes e ritmicamente desconcertantes.

18h15 – Cicuta – “Cicuta volta à SMUP para repetir a demo Asco. Cicuta é veneno poderoso que gela a carne fazendo a morte subir pela alma ou simplesmente um par de auto-isolacionistas suburbanos. Reflexo quebrado do espelho que dispõe os frutos da altitude ou simplesmente trip-hop encharcado em estupefacientes.

Salão SMUP
21h00 – Sar live act – “Sar é o eixo 666mfRAS em «YAN-GANT Y-TAN & 666mfRAS». Um live act experimental e electrónico que vai criando hábito n’A Besta e o Muro.

22h00 – Quinteto Cardíaco – “Cardíaco é sempre que alguns indivíduos de índole duvidosa tomam instrumentos de assalto para, sem que ninguém esteja à espera, se produza ruído que acelera os padrões de rítmicos do coração. Neste caso serão 5: André Calvário (baixo); Tiago Eira (teclas e sampling); Ruben Infante (guitarra); DV (guitarra e voz); João Sousa (bateria) + Zé Santos (baixo).

23h00 – Bleandante – “Lançado n’A BESTA E O MURO II e continuado na FEIRA MORTA ACM III. Na génese da palavra há o ruído que antecede uma comunicação viciada e desconfortável que a cada pulsar de incompreensão vai afastando corpos há muito na espera da distância. Bleandante pretende regressar a esse lugar pré-verbal onde as raízes do engano são cortantes o suficiente para perfurarem a carne. Bleandante é DV na voz e efeitos, acompanhado de Tiago Eira nos samplers.

Outras informações
Donativo recomendado: 3 euros
Entrada + CD (edições abaixo): 5 euros

Edições “Bilhete”:
a-nimal – Abnormal Sessions (cd), 10 cópias disp.
a-nimal – Burning Sessions (cd), 5 cópias disp.
a-nimal – Distopias (cd), 5 cópias disp.
O Poema (A)Corda – Ao vivo em Tavira (cd), 15 cópias disp.

Outras edições d’A BESTA:
Verme + Subasement – Chains Split Tape 1 (k7) – 4€
Saraband – Despojo Vociferado (k7) – 4€
DESLIZE – ?/! (Edição artesanal de Nuno Mangas-Viegas) (k7) – 6€

besta e o muro 3

Leave a Reply

Your email address will not be published.