Banda: Chaos In Paradise
Álbum: Let The Bliss Remain [EP] Data de lançamento: 4 de Junho de 2011
Editora: (sem editora)
Género: Melodic Metalcore
País: Portugal

Membros

Sara Valente – Voz
Alexander Andrade – Guitarra
Pedro Almeida – Guitarra
Ricardo “19” Barros – Baixo
César “Quik” Craveiro – Bateria

Alinhamento

  • Inertia
  • Sign Of Deliverance
  • Awareness
  • The Hunter
  • Beyond The Horizon
  • Sanzu River

Introdução

Nascidos no Outono de 2008, numa pequena garagem nos subúrbios do Porto, a ascensão dos Chaos In Paradise desde então foi meteórica, muito por culpa do trabalho que presentemente analisamos. Com uma sonoridade que se pode catalogar de Metalcore melódico, mas que foge bem aos estereótipos e se torna bastante própria, com influências de Heavy, Progressive e Melodeath, esta foi uma das bandas revelação votadas pelos leitores da Loud! e, pessoalmente, uma inesperada e bem vinda surpresa num género musical com muito poucas referências em território luso.

Review

Let The Bliss Remain abre com Inertia, uma bela entrada progressiva, num ambiente acolhedor e melódico, na qual vão entrando os vários instrumentos, abrindo caminho até culminar com o início de Sign Of Deliverance. Este é um tema muito forte e bem conseguido, com a Sara a mostrar cedo o alcance da sua voz, bastante poderosa, com um ocasional scream enérgico e com bastante melodia quando é preciso. A nível instrumental, somos atingidos por uma muralha sonora de originalidade e qualidade raramente vista em Metalcore, com riffs rápidos na guitarra e na bateria e um baixo incansável, que não se limita a acompanhar o som mas que ganha vida própria.

Na mesma linha segue Awareness, o tema que me proporcionou o primeiro contacto com a banda. Sendo o mais curto, é também o tema mais fácil de entrar no ouvido, com um refrão extremamente catchy, um grande momento mais instrumental a meio da música e a voz da Sara mais poderosa do que nunca. Lindo! Mas o melhor está para vir. Talvez por ser fã de temas complexos e mais trabalhados, não é de estranhar que a minha música favorita deste EP seja a mais longa. The Hunter destaca-se por juntar quase todas as facetas da sonoridade da banda, que se misturam nestes quase seis minutos. Temos as partes ligeiramente progressivas, outras com mais “power”, outro refrão com uma melodia irrepreensível e uma saborosa passagem mais calma, precedendo um magnífico solo, mostrando o lado mais doce da voz da Sara.

Beyond The Horizon é também um tema de mais de cinco minutos, com um início mais previsível e menos original, mas que logo nos leva a um trabalho instrumental e vocal notável a partir dos 2 minutos, extremamente poderoso e com um solo de guitarra a proporcionar uma das melhores melodias de todo o EP. Temos por fim Sanzu River, o melhor tema a seguir a The Hunter. Com um início calmo e suave, esta música tem um refrão de ficar na cabeça, com uma melodia simples mas penetrante. Entre o primeiro e o segundo refrão temos uma passagem excelente, primeiro com os gritos da Sara e depois com uma interessante melodia proporcionada pelas guitarras. A fechar temos uma explosão sonora, uma despedida que nos deixa a pedir por mais.

Conclusão

Não sendo perfeito, Let The Bliss Remain mostra-nos que é possível fazer algo fresco, original e de qualidade num género musical que por vezes faz engelhar o nariz de fãs de música mais pesada. Os Chaos In Paradise conseguiram aqui criar um trabalho de melodias simples mas instrumentalmente variado e complexo, e têm a sorte de ter uma vocalista cuja voz não se torna cansativa ao fim de algum tempo, como é frequente neste género. O reconhecimento que este trabalho teve até ao momento fala por si, e com esta rampa de lançamento, os Chaos In Paradise têm tudo para se elevarem ainda mais no panorama nacional com o álbum de estreia.

Saudações metaleiras,
David Dark Forever Matos

Classificação

Vocal: 8/10
Instrumental: 8,5/10
Escrita: 8/10
Originalidade: 7,75/10
Produção: 9/10
Impressão pessoal: 8/10
TOTAL: 81,9%

Leave a Reply

Your email address will not be published.