Banda: Korn
Álbum: The Path Of Totality
Data de Lançamento: 6 de Dezembro de 2011
Editora: Roadrunner Records
Género: Nu Metal/Dubstep
País: E.U.A.

MySpace | Facebook | last.fm

Membros:

Jonathan Davis – Voz, Gaita de Foles
James “Munky” Shaffer – Guitarra
Reginald “Fieldy” Arvizu – Baixo, Guitarras Adicionais
Ray Luzier – Bateria

Membros Convidados na Produção:

Skrillex
Datsik
Feed Me
Excision
12th Planet
Flinch
Downlink
Tylias
Kill The Noise
Noisia


Alinhamento:
01. Chaos Lives In Everything
02. Kill Mercy Within
03. My Wall
04. Narcissistic Cannibal
05. Illuminati
06. Burn The Obedient
07. Sanctuary
08. Let’s Go
09. Get Up!
10. Way Too Far
11. Bleeding Out

KORN é um nome que dispensa introduções, pela sua fama adquirida com a explosão do nu-metal e do estatuto que envergou com a mesma. A banda, no entanto, guardou para 2011 o lançamento do seu décimo álbum da carreira, entitulado “The Path Of Totality”. De forma rebelde, os KORN seguiram uma das grandes tendências desta década que agora começou e apostaram numa fusão de dubstep ao seu metal habitual.

Pode parecer estranho, mas a verdade é que a banda sempre teve o seu quê de industrial na forma como potenciava as batidas. Dado tal facto, o dubstep até parece encaixar muito bem na sua sonoridade, sendo aproveitados aqueles espaços “em branco” com múltiplas implosões e rasgos de música electrónica. Ainda assim, não deixa de ser caricata a forma como a banda se apresenta dizendo que “sempre fizeram dubstep” em toda a sua carreira.

Pode ser uma forma ousada de chamar a atenção das massas ou apenas uma inocente tentativa de refrescar a discografia do grupo, mas “The Path Of Totality” não prima pelo brilhantismo. Jonathan Davis, Munky e Fieldy mantêm-se fieis às suas grandes prestações, mas o dubstep pode não ser um sapo fácil de engolir. Às tantas torna-se tão envolvente e explosivo que encobre o som natural dos KORN, tendo um papel demasiado principal no álbum. Obviamente que o álbum tem momentos muito bem conseguidos, como o single “Get Up!” que é uma autêntica bomba-relógio, explodindo a cada refrão – mérito para o célebre SKRILLEX, um dos maiores nomes do dubstep.

Os fãs da banda deverão gostar certamente, pois não deixam de ser os KORN. Aos apenas curiosos, até podem tentar apreciar “The Path Of Totality”, mas depende demasiado do gosto de cada um.

Deixo o resto à vossa guarda,
Nuno Bernardo

 Classificação:67/100

Related Posts

One Response

  1. diogo

    Boas. Sou fã de Korn a bastantes anos e na verdade não estou nada desiludido com este álbum. Acho que todos devem concordar que o último álbum de Korn que foi uma "bomba relógio" foi o Untouchable! O espaço vazio que falam neste post não é nada mais nada menos que a falta do HEAD na banda! Se for-mos ouvir com atenção aos álbuns lançados por Korn desde então, nota-se claramente que falta uma segunda Guitarra potente nas músicas que davam um gosto de ouvir como nos temas "Freak on a Leash" ou "Falling Away From Me". Relativamente ao novo álbum, o Dubstep veio dar a força que faltava aos Korn e a agressividade contida a que todos os fãs estavam habituados a ver ao vivo! O Dubstep é um estilo de música que está a pegar moda e apesar de não ser um seguidor das mesmas tenho que admitir que dentro do estilo electrónico o Dubstep é o Metal mais hardcore recheado de grandes artistas como o próprio Skrillex, Kill the Noise e obviamente NERO. Os meus parabéns aos Korn por darem inicio a uma nora ERA musical ao misturarem os dois estilos de música com grande sucesso e contagio e obviamente os meus parabéns também a malta do Ruido Sonoro por um post bem conseguido sobre uma banda épica.

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.