Com uma mão cheia de edições e a caminho da sexta, o festival Entremuralhas é paragem obrigatória para o universo gótico nacional, despertando também forte interesse de outras comunidades e por esse mundo fora. Mais do que isso, é motivo de orgulho de uma cidade, que vê durante três dias o seu castelo glorificado com tão belas sonoridades e tão único ambiente. Só quem lá esteve é que sabe a magia que se lá vive. Este ano, à semelhança dos anteriores, haveria porventura 1001 razões para ir; no entanto, para não tornar a lista demasiado longa, resumimos aqui os dez principais motivos para não faltar!

 

#01 Lili-Marlene Premilovich

Na quinta feira, a noite irá encerrar com esta enérgica senhora de 66 anos, de seu nome artístico Lene Lovich. Um ícone do new wave dos anos 80 que ainda aquece palcos, sobretudo com a sua voz de traços peculiares e actuações quase teatrais. Entre os muitos clássicos que se esperam no Castelo de Leiria, seguramente iremos ter o seu maior êxito, Lucky Number. Será que a sua “idade de avó” também nos trará belas histórias de vida?

https://www.youtube.com/watch?v=kGoEmhQP774
 

#02 Nova Zelândia X 2

Sexta e sábado irão abrir no Palco Igreja da Pena, ambos com projectos do outro lado do globo. Jordan Reyne irá trazer-nos a sua peculiar sonoridade, um folk com toque industrial acompanhado de uma voz poderosa, que irá ecoar nas altas paredes da igreja. Já os A Dead Forest Index prometem um momento mais íntimo e minimalista, com uma voz suave e onde não deverão faltar os temas Cast Of Lines e Distance.


 

#03 6 Comm, a despedida

Quem deambula por este obscuro mundo de sonoridades, conhece bem o nome de Patrick Leagas, membro fundador dos icónicos Death In June. Desde 1986, 6 Comm tem sido o seu projeto, numa carreira de quase 3 décadas que irá, muito provavelmente, terminar com o seu concerto no Castelo de Leiria. Uma última oportunidade de o ver ao vivo, interpretando não só temas dos 6 Comm mas também dos Death In June.


 

#04 [:SITD:]

No dia 28 de Agosto, cabe a estes experientes germânicos abrir o Palco Corpo, prometendo muitas batidas dançáveis cantadas em alemão e inglês. Um dos nomes grandes do electro-industrial europeu, as “sombras na escuridão” irão provavelmente visitar toda a meia dúzia de álbuns dos seus 19 anos de carreira, esperando-se especial foco no seu mais recente registo, Dunkelziffer.

#05 Igorrr

Os Igorrr são a definição de uma banda que escapa a qualquer definição (passo o pleonasmo). Não é electrónica, nem ópera, nem metal, nem clássica, nem grindcore, nem folk, mas sim tudo isto. Nunca o castelo recebeu uma banda tão extrema e de tantos extremos. É um dos nomes cuja prestação ao vivo mais promete nesta edição, esperando-se pura loucura em palco e na plateia.


 

#06 And Also The Trees

Não há como resistir à voz quente de Simon Jones e à sonoridade calma e melódica de post-punk que marca os And Also The Trees. São já 36 anos a criar temas de requinte, com aquela classe e solenidade típica dos britânicos. Dialogue é um belo exemplo do que falo, mas haverá mais, muito mais, no palco onde todas as almas sonham em uníssono.


 

#07 Agent Side Grinder

E se os And Also The Trees são uma pedra assente na história do post-punk, os Agent Side Grinder são uma das precursoras que melhor a lapida nos tempos que correm. Dez anos já permitiram a este quinteto sueco ganhar uma base respeitável de fãs. No Entremuralhas, a banda irá apresentar o seu mais recente trabalho, Alkimia, de onde se retira esta magnífica Giants Fall.


 

#08 From North Korea with… love?

Os 35 anos de carreira dos eslovenos Laibach são tão marcados pela sua sonoridade única como pela sua influência política e controvérsia. E neste mês de Agosto, fazem história no mundo da música: pela primeira vez, uma banda estrangeira irá actuar ao vivo na Coreia do Norte, o estado mais fechado do mundo. Após as duas datas em Pyongyang, que marcam o festejo dos 70 anos de independência do país do Japão, a banda virá até Portugal, sendo o nome maior de todo o cartaz do Entremuralhas 2015. E como o humorista britânico John Oliver descreveu, poderemos testemunhar aquilo que seria o Freddy Mercury preso numa caverna, acabado de engolir um sapo e a tentar cantar para ele sair. A voz de Milan Fras é sem dúvida peculiar!


 

#09 Ambiente familiar para miúdos e graúdos

A principal característica extra-música do Entremuralhas é o seu ambiente único. O facto de ser limitado a 737 pessoas, com muitos repetentes todos os anos e a maioria parte integrante do mundo gótico, faz com que se viva um verdadeiro espírito de família. Muita conversa e boa disposição, que conta com a presença de bebés, idosos, crianças, adultos e jovens. É um festival para todas as idades e para variados gostos, vivido numa magia medieval proporcionada pelo belo Castelo de Leiria.

Ambient #20

 

#10 Único no mundo e aqui tão perto

O mote do festival é mais do que adequado. Por todas as razões e mais algumas, o Entremuralhas é um evento único no globo. Os nomes que tem trazido ao longo dos anos são de peso, abarcando o melhor que tem a música dita alternativa, desde o neofolk ao industrial, passando pelo rock gótico e pela música clássica, com toques de martial, world music e electrónica. Tudo isto aqui tão perto, neste país plantado à beira mar, onde as lágrimas de sal se transformam em sorrisos de mel em tão singulares momentos.

Darkwood #06

 

Bilhetes | Informações, Alinhamento e Edições Anteriores | Organização

Cartaz em Vídeo

Cartaz no Spotify

Texto: David Matos
Fotografia: Marina Silva

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.