“Os Hidden Place são uma banda Italiana de Electro Wave”. Assim consta na sua biografia, “minimalista” como eles. Nasceram em 2004, das cinzas dos já quase esquecidos Lupi Gladius, para criar um som mais eléctrico – frio, simples, melancólico. Foi com Fabio Vitelli que falámos, sobre eles-próprios, sobre Itália e, sobretudo, sobre New Wave.

 

Ruído Sonoro: Fala-nos um pouco acerca dos Hidden Place. Como é que surgiram?

Hidden Place: Os Hidden Place nasceram no Verão de 2004 quando, após um breve affair com a banda de Neofolk Lupi Gladius, quisémos criar um som mais eléctrico, adicionando à antiga formação a voz da SaraLux. Tudo isto aconteceu de forma um pouco espontânea, e de um certo interesse por sonoridades que sempre caracterizaram os nossos antecedentes musicais. A ideia inicial era a de criar algo combinado com electrónica, um som frio e minimalista, com melodias simples e melancólicas. A banda é constituída pela SaraLux, Fabio, Giampiero e Antonio.

RS: Porque é que escolheram o nome “Hidden Place”, e de que forma é que este transmite o conceito existente por detrás da banda?

HP: Sempre entendemos este “Hidden Place” como uma área de reflexão e meditação, uma espécie de microcosmos onde tentamos “actuar” de uma maneira profundamente pura, íntima e naïve, e onde o objectivo da nossa acção é a “criação da nossa arte”, encarando-a como uma espécie de cura para a alma.

RS: Como referiste, antes dos Hidden Place existiu um outro projecto musical, os Lupi Gladius. Porque é que esse projecto acabou tão repentinamente, e porque é que decidiram trocar o Neofolk pelo New Wave?

HP: Os Lupi Gladius ainda estão vivos. Após 10 anos, decidimos fazer novas músicas, e acabámos agora as gravações. Estamos realmente satisfeitos com o nosso novo trabalho, e tem sido muito emocionante fazer músicas para os Lupi Gladius ao fim de tantos anos. E mudámo-nos para o New Wave porque, tendo em conta que todos somos coleccionadores de álbuns de New Wave, este sempre foi o nosso género de música.

RS: Apesar de serem Italianos, grande parte das vossas músicas são cantadas em Inglês. Porque é que fizeram essa escolha?

HP: Essa escolha foi feita porque a Língua Inglesa se encaixa melhor na nossa sonoridade mas, se olhares para cada um dos nossos álbuns, consegues sempre encontrar músicas em Italiano. A nossa língua materna é tão bonita… Consegues vê-lo pelos títulos dos nossos álbuns.

RS: Numa entrevista anterior, afirmaram que a gravação dos temas é o mais importante para vocês, e que tocar ao vivo não é uma das vossas prioridades. Porque é que sustentam essa opinião? Acham que a oportunidade de tocar as vossas músicas ao vivo é menos relevante que o processo de gravação? Porquê? 

HP: A nossa prioridade é fazer músicas e álbuns, e foi o que fizemos. Agora a nossa prioridade é dar concertos. Queremos exprimir-nos, tocando ao vivo as nossas músicas. É algo que nós e os nossos fãs merecemos. Já agora, seria fantástico se pudéssemos tocar em Portugal!

RS: No vosso primeiro álbum [Fantasia Meccanica, 2007], contaram com a participação de Diego Merletto, da banda Frozen Autumn, e o ano passado, com o mais recente álbum Novecento [2012], tiveram a honra de contar com Froxeanne. Sendo que os Frozen Autumn são uma grande inspiração para vocês enquanto banda, como é que foi puder contar com a participação de ambos? Era um sonho antigo?

HP: Os Frozen Autumn sempre foram uma grande inspiração para nós. Para além desse lado mais artístico, sempre houve uma profunda amizade entre nós. Assinámos também pela Calembour Records (a editora da Froxeanne), para o nosso último álbum Novecento. Ter o Diego e a Froxeanne como convidados nos nossos álbuns, tem sido uma grande satisfação para nós.

RS: Também no Novecento, puderam contar com a participação de Jean-Pierre Mercier, da banda A Handful of Snowdrops, que produziu, inclusive, uma das músicas do álbum. Como é que esta oportunidade surgiu?

HP: Somos fãs dos Handful of Snowdrops, e do nada pensámos “Porque é que não perguntamos ao Jean-Pierre para colaborar connosco?”. Ele respondeu que sim à nossa proposta, e para nós foi fantástico, e como resultado surgiu a música “Between the Devil and The Blue Sea”.

RS: Para além dos já referidos Frozen Autumn, quais são as vossas outras grandes influências?

HP: São várias as bandas que nos influenciam, como os Kirlian Camera, Ultravox, Clan of Xymox (início), Krafwerk, Handful of Snowdrops, Cocteau Twins, This Mortal Coil, o New Wave Italiano dos anos 80, etc.

RS: Quando pensamos no New Wave Italiano, a maioria das bandas que vêm à nossa cabeça são dos anos 80/90, como os Kirlian Camera, ou até mesmo os próprios Frozen Autumn. Como é que é ser uma banda de New Wave hoje em dia? Não se sentem um pouco sozinhos dentro do género?

HP: O que é importante para nós é criar a nossa música e mantermo-nos sempre fiéis às nossas próprias ideias. Podemos fazer parte de um género mas, ao mesmo tempo, lutamos isoladamente, e para nós não faz mal.

RS: No próximo ano, a banda irá celebrar 10 anos de existência. Como é que encaram estes 10 anos de trabalho, e qual é a projecção que fazem para o futuro? 

 HP: Durante estes 10 anos sempre fizemos experiências, especialmente porque não gostamos de monotonia. Por causa disso, tornámo-nos, de certeza, mais maduros, e iremos continuar a fazer experiências no futuro. Aconteceram muitas coisas nestes anos, e para o nosso 10.º aniversário irá haver, de certeza, algumas boas surpresas!

RS: Têm planos para o futuro? Tencionam lançar um álbum novo brevemente?

HP: Os nossos planos são dar concertos. Incorporámos um suporte visual, e muitas outras surpresas. Como disse anteriormente, desejamos tocar ao vivo a nossa música em todos os lugares, e esperamos poder fazê-lo um dia também em Portugal!

 

 

 

 

Hidden Place |Facebook| |Twitter| |Myspace|

Entrevista de Rita Cipriano.

‘Hidden Place is an Alternative Electro Wave band from Italy’. They were born in 2004, from the ashes of a previous project, Lupis Gladius, in the search for a more electrical sound – cold, minimalist and melancholic.

More recently We have talked with Fabio Vitelli, one of the main founders, about the band, Italy and, of course, New Wave.

 

Ruído Sonoro: Tell us a bit about Hidden Place. When was it formed?

Hidden Place: Hidden Place was born in the summer of 2004 when, after a brief affair with the Neofolk band Lupi Gladius, we wanted to move towards a more electronic sound, adding SaraLux’s voice to the formation. All of this was born with a certain spontaneity, and because of a certain interest in the sounds that have always characterized our musical background. The initial idea was to create something combining the electronic, cold and minimalist sound, with simple and melancholic melodies. The band is formed by SaraLux,Fabio, Giampiero and Antonio.

RS: Why did you choose the name ‘Hidden Place’, and in what way does it reflect tthe concept behind the band?

HP: We have always understood this ‘Hidden Place’ as an area of meditation and reflection, a sort of microcosm where we try to ‘act’ in a way highly intimate and pure and naïve, where the end of our action is the ‘creation of our art’, considering it a sort of cure for the soul.

RS: As you have said, before Hidden Place you had a different music project called Lupi Gladius, which was a Neofolk one. Why did it end so quickly and why did you move away from Nefolk to New Wave?

HP: Lupi Gladius is still alive. After 10 years we have decided to make new songs, and we have just finished recordings. We are really satisfied with our new work, and it has been so emotional to make Lupis Gladius songs after so many years. Then, we moved to a New Wave sound because, at end, being all of us New Wave records collectors, it has always been our kind of music.

RS: Although you are Italian, you have chosen to sing most of your songs in English. Why?

HP: Yes, most of our songs are in English. This choice was made because the English Language fits well with our sonorities but, if you see all our albums, you can find songs in Italian. Our mother language is so beautiful… You can notice it also from the titles of our albums.

RS: You have stated in a previous interview that playing live is not one of your priorities, and that the most important thing for you is the recording of the music itself. Do you think that live performances are less relevant than the recording process? Why is that?

HP: The main priority is to make songs and albums. We did it, and now our priority is to play gigs. We want to express ourselves and play our songs. It’s something that we and our fans deserve. By the way, it would be awesome if we could play in Portugal!

RS: I know that the band Frozen Autumn is a big inspiration for you, and although Diego Merletto has participated in your first album [Fantasia Meccanica, 2007], last year, with Novecento, you had the honor to have Froxeanne participating in it. How was that experience for you? Was it an old dream of yours?

HP: Frozen Autumn has always been a big inspiration for us. Besides the artistic side, there has always been a deep friendship beetween us and them. We have also signed with Calembour Records (Froxeanne’s label) for our last album Novecento. Having Diego and Froxeanne as guests in our albums has been a big satisfaction for us.

RS: Also in Novecento, you had the participation of Jean-Pierre Mercier, from the band A Handful of Snowdrops, who also produced one of the songs. How did it come about?

HP: We are Handful of Snowdrops fans, and out of nowhere we thought, ‘Why don’t we ask Jean Pierre if he wants to collaborate with us?’. When he said ‘yes’, it was really nice for us, and the song ‘Between the Devil and the Blue Sea’ was a wonderful result!

RS: Besides Frozen Autumn, which are your other big influences?

HP: Many bands influence our music, such as Kirlian Camera, Ultravox, early Clan of Xymox, Kraftwerk, Handful of Snowdrops, Cocteau Twins, This Mortal Coil, the 80’s Italian New Wave, etc.

RS: When we think about the Italian New Wave scene, most of the bands that come to our mind are from the 80s/90s, like Kirilian Camera, or even Frozen Autumn. How is it for you to be an Italian New Wave band today? Do you feel a bit alone in the scene?

HP: What matters for us is to create our music and always follow our ideas. We can say we belong to a scene but, at same time, we are fighting in isolation, and for us it is ok.

RS: Next year you will be celebrating your 10th anniversary. How do you look back at these 10 years of work, and how do you see yourselves in the future?

HP: During those years, we have always experimented, especially because we don’t like monotony. Because of that, we have become, for sure, more mature, and we will continue to make some experiences in the future. Many things have happened during these years, and for our 10th anniversary there will be nice surprises!

RS: Do you have plans for the future? Are you planning to release a new album soon?

HP: Our plans are to give concerts. We have fixed our live performance with video and many other surprises. As we have said before, we wish to play our music live everywhere, and we also hope to do that one day in Portugal!

 

Hidden Place |Facebook| |Twitter| |Myspace|

Interview: Rita Cipriano

Leave a Reply

Your email address will not be published.