O FMM Sines – Festival Músicas do Mundo vai realizar a sua 22ª edição de 23 a 31 de Julho de 2021, em Sines e Porto Covo e já são conhecidos catorze artistas e projectos musicais: Ava Rocha (Brasil), Cimafunk (Cuba), Dead Combo & Mark Lanegan (Portugal/EUA), Guiss Guiss Bou Bess (Senegal/França), Lankum (Irlanda), Lavoisier + João Bento (Portugal), Lina_Raül Refree (Portugal/Espanha), Maria João & Carlos Bica Quarteto (Portugal), Marina Satti & Fonés (Grécia), Melingo (Argentina), Muthoni Drummer Queen (Quénia), Pongo (Angola/Portugal), Rizan Said (Síria) e Third World (Jamaica).

Lankum (na foto) foi considerada “a banda folk mais convincente a sair da Irlanda nos últimos anos” pelo jornal The Guardian. Directamente de Dublin e formada por Ian Lynch, Daragh Lynch, Cormac Mac Diarmada e Radie Peat, os Lankum são um distinto cruzamento entre a folk tradicional e o psicadelismo. Os seus dois álbuns com o selo da Rough Trade são prova física desse argumento: Between The Earth And Sky (2017) e The Livelong Day (2019).

Os Dead Combo de Tó Trips e Pedro Gonçalves, em fase de despedida do projecto, vão actuar no FMM Sines com o convidado Mark Lanegan, cantor e compositor norte-americano que colaborou com eles no disco Oden Hotel, de 2018. Também uma dupla e com um convidado, os Lavoisier de Patrícia Relvas e Roberto Afonso levam a Sines a companhia do sonoplasta João Bento e um álbum conceptual criado em Trás-os-Montes a partir dos poemas e roteiros de Miguel Torga.

Maria João & Carlos Bica Quarteto é o reencontro de duas figuras do jazz português e ainda André Santos e João Farinha, enquanto Lina_Raül Refree fazem uma incursão inovadora pelo reportório de Amália Rodrigues – Lina é uma fadista da nova geração, trazida pelo produtor e compositor catalão Raül Refree para remover os dogmas instrumentais do fado.

Do outro lado do Atlântico, a cantora, compositora e cineasta brasileira/colombiana Ava Rocha apresenta Trança, álbum onde combina referências do tropicalismo, new wave, post-punk, samba, bossa nova e até música afro-brasileira. Melingo tem quase vinte álbuns gravados e é uma referência de toda a América do Sul pelo seu circuito de rock, dub, música clássica, folclore e tango com um cunho artístico muito pessoal. Das Caraíbas chega-nos a música do cantor, compositor e produtor cubano Cimafunk, que promove uma mistura de funk com música cubana e ritmos africanos, e ainda os jamaicanos Third World, um dos grupos de reggae com maior longevidade, activos desde 1973.

Muthoni Drummer Queen, rainha da música urbana de Nairobi, no Quénia, conta em SHE, o seu álbum mais recente, várias histórias sobre mulheres, contadas sobre uma tela sonora que viaja entre o hiphop e a soul. Guiss Guiss Bou Bess, grupo formado em 2017 em Dakar pelo senegalês Mara Seck e pelo francês Stéphane Constantini, trabalham a música sabar e mbalax de um ponto de vista electrónico, juntamente com o percussionista Babacar Diop. Já Pongo, figura emergente da cena afro com origem em Lisboa, nasceu em Angola, cresceu em Portugal e aponta à conquista do mercado internacional com o seu kuduro progressivo.

Marina Satti & Fonés introduzem ao FMM Sines uma artista de Atenas com ascendência grega e sudanesa. Cantora, autora, pianista e actriz, Marina traz consigo o quarteto polifónico Fonés e a sua música influenciada por sons gregos, balcânicos e médio-orientais, incorporados num contexto urbano. Por fim, o prolífico instrumentista, compositor e produtor sírio Rizan Said foca-se no dabke e a sua estreia a solo, de 2015 e intitulada The King of Keyboard, diz muito de como são vistas as suas credenciais.

Leave a Reply

Your email address will not be published.