Winter Ethereal é apenas o segundo álbum deste super-grupo que decidiu pôr termo à sua actividade por uns belos anos, após o lançamento do excelente Sympathetic Resonance, de 2011. Os seus membros não são surpresa para ninguém, tendo em conta o seu passado como membros dos Fates Warning. Aliás, o conceito que acompanha Arch/Matheos acaba por ser muito semelhante ao conceito inicial e intermédio dos míticos Fates Warning, apesar de há alguns anos a banda ter mudado de direcção musical, continuando um trabalho exímio, como sempre com Ray Alder no leme.

Após o sucesso estrondoso do seu disco de estreia, o super-grupo decide revolucionar o processo de escrita deste segundo lançamento, mudando a formação com a entrada de artistas de renome como Steve Di Giorgio (Death, Testament), Sean Malone (Cynic), entre outros. Desta feita, a liberdade do duo foi maior, sem limitações a burocracias ou a prazos que os pudessem prejudicar na produção deste longa-duração que promete ser um dos melhores do ano de 2019. Apesar de não ser considerado um álbum conceptual, Arch e Matheos acabam por produzir um longa-duração com um conceito bem vincado ao longo das nove faixas. Os dois são já dois ícones lendários da música pesada, sobretudo como pioneiros do metal progressivo.

Winter Ethereal é muito mais melancólico e sombrio do que o álbum de estreia, as letras são uma bela demonstração disso mesmo, basta atentar às faixas inteligentes e obscuras “Kindred Spirits”, “Tethered” e “Pitch Black Prism” que elevam a fasquia num disco que, apesar de ter uma narrativa difícil e profunda, acaba por apresentar uma energia invulgar e renovadora. O parâmetro técnico é realmente elevado, sem nunca parar ou obstar o conceito mais básico do que é um lançamento de metal progressivo. O álbum é muito bem estruturado e daí ser tão difícil destacar alguns temas.

Este segundo lançamento confirma, sem qualquer dúvida, que o primeiro não foi mero acaso e que estes dois monstros do metal progressivo estão aqui para as curvas. Winter Ethereal poderá tornar-se num dos grandes discos do ano, no que respeita ao género. O duo lançou um portento cheio de energia que combina uma narrativa poderosa e uma sonoridade altamente progressiva e tecnicamente avançada. Muitos foram os anos que passaram desde a estreia do super-grupo nas lojas de música, no entanto, a espera recompensou e o resultado está aí para ser ouvido.

Autor: João Braga

Winter Ethereal é apenas o segundo álbum deste super-grupo que decidiu pôr termo à sua actividade por uns belos anos, após o lançamento do excelente Sympathetic Resonance, de 2011. Os seus membros não são surpresa para ninguém, tendo em conta o seu passado como membros dos Fates Warning. Aliás, o conceito que acompanha Arch/Matheos acaba por ser muito semelhante ao conceito inicial e intermédio dos míticos Fates Warning, apesar de há alguns anos a banda ter mudado de direcção musical, continuando um trabalho exímio, como sempre com Ray Alder no leme. Após o sucesso estrondoso do seu disco de estreia,…

Álbum. Metal Blade Records. 10/05/19

Classificação

Leave a Reply

Your email address will not be published.