A música está de regresso ao seu habitat natural. O Vodafone Paredes de Coura parte para nova edição já esta quarta-feira, 14 de Agosto, e vai-se prolongar até ao próximo sábado. Entre nomes altamente influentes e históricos até ao novo som emergente, passando por referências recentes e segredos do ‘Couraíso’, o festival promete estar destinado a ter mais uma edição de sucesso: passes gerais esgotados e boa previsão de tempo (a sério!). Por aqui fazemos as contas aos próximos dias e apontamos dez nomes para ter em conta.

#01 The National

Nome maior logo ao primeiro dia de festival, os The National vão mesmo regressar à ‘casa’ que os testemunhou na sua passagem em 2005, na altura a apresentar em Portugal o recém-lançado Alligator. Volvidos catorze anos e já firmes como uma das bandas maiores de indie rock, a banda natural de Ohio apresenta no Minho o mais recente I Am Easy To Find,  álbum mais introspectivo e de pés bem assentes no chão, como todos queremos estar durante o concerto.

#02 KOKOKO!

Da República Demorática do Congo para o norte de Portugal, a música enérgica de KOKOKO! promete ser um dos momentos maiores de espírito livre, aventureiro e criativo dos quatro dias de Vodafone Paredes de Coura. Ritmo frenético e de filosofia irreverente, a banda de Kinshasa recicla o material dos seus instrumentos e dá vida à música nova.

#03 Alvvays

Os canadianos Alvvays confirmaram, com o seu segundo álbum Antisocialites (2017), ser uma das bandas mais interessantes da dream pop da actualidade. A voz de Molly Rankin comanda o sonho do quinteto de Toronto e promete liderar uma das actuações mais melódicas do festival. ‘Dreams Tonite’ é um dos muitos exemplos do reportório.

#04 Khruangbin

Khruangbin siginifica “avião” ou “engenho voador” em tailandês, mas é do estado do Texas que nos chega esta passarola musical calorosa em formato de trio. É rock, é funk e é um sonho molhado das bandas sonoras de Tarantino, mas o que é certo é que o exotismo deve ser totalmente condizente com a frescura minhota para apresentar Hasta El Cielo, trabalho que sucede ao aclamado Con Todo El Mundo.

#05 New Order

Das cinzas de Joy Division surgiu esta fénix que revolucionou a música electrónica nos anos 80. Os New Order partiram da tragédia e transfomaram-na em new wave preponderante para marcar uma década e transformar o cenário de rock sombrio em música para se dançar. “Blue Monday” foi o arranque de uma história que inclui temas icónicos como “Temptation”, “Bizarre Love Triangle” , “True Faith” ou “The Perfect Kiss”.

#06 Spiritualized

Depois de afastado por motivos de saúde, Jason Pierce regressou ao activo com os seus Spiritualized, banda que formou após o fim de Spacemen 3, para o lançamento do aguardado oitavo álbum de estúdio, And Nothing Hurt. Novo capítulo para a história do seu rock e também um dos álbuns mais aclamados do ano passado vão fazer desta passagem por Coura um ponto marcante do festival.

#07 black midi

À medida que este texto se compõe, também o hype em torno dos black midi aumenta. Tem sido exponencial e era uma questão de tempo isto de transformar as suas brutais actuações ao vivo em álbum. Schlagenheim é a explosão possível em ambiente controlado, mas o reconhecimento do seu rock matemático já lhes valeu a nomeação para o Mercury Prize do ano corrente.

#08 Freddie Gibbs & Madlib

Aquilo que começou por ser um refresco no som do Vodafone Paredes de Coura parece tornar-se um hábito. Não que necessite de preencher quotas, pois o hiphop de uma das colaborações mais brilhantes que o género conheceu seria digno de destaque em qualquer festival. Bandana é o álbum mais recente da conjunção do rapper Freddie Gibbs e do produtor Madlib e será motivo de apresentação no Minho.

#09 Patti Smith

Haverá artista mais influente do que Patti Smith no que toca à inclusão feminina no rock e no punk? Horses, lançado em 1975, foi o início de um caminho que tocou várias vertentes culturais e artísticas, estendendo-se à poesia e à fotografia, e terá aberto a outros o caminho para o rock alternativo, para o post-punk e também q.b. para o movimento riot girl. O Vodafone Paredes de Coura vai receber, no seu último dia, um membro do Rock and Roll Hall of Fame.

#10 Mitski

A japonesa Mitski, actualmente instalada em Nova Iorque, seguiu a linha ascendente dos seus trabalhos e fez de Be The Cowboy, o seu quinto álbum, um competente e igualmente aclamado sucessor de Puberty 2, disco também considerado um dos melhores dos últimos anos. Por outro lado, este concerto servirá também de despedida, já que a cantautora anunciou em comunicado que este será uma das suas últimas actuações antes de fechar um ciclo e entrar em hiato depois de cinco anos em constantes digressões.

Para além destes dez nomes, neste Vodafone Paredes de Coura vão ainda actuar outros destaques como Father John Misty, Suede, Deerhunter, Car Seat Headrest, Connan Mockasin, Capitão Fausto, Acid Arab, Kamaal Williams, First Breath After Coma, Alice Phoebe Lou, Avi Buffalo, Stella Donnelly ou Boogarins, entre muitos outros.

Autor: Nuno Bernardo

Leave a Reply

Your email address will not be published.