O IndieLisboa, festival internacional de cinema da capital, decorre de 2 a 12 de Maio e a sua programação totalmente revelada volta a dar parte do seu protagonismo à música.

A secção IndieMusic dá até destaque a um conjunto de filmes dedicados a figuras da música portuguesa. Um Punk Chamado Ribas de Paulo Antunes, por exemplo, é um título que fala por si na visita ao movimento punk rock de Alvalade e a sua figura central, João Ribas. Ama Romanta – uma utopia que fazia discos, por outro lado, é um documentário sobre a mítica editora de João Peste e o combate à monotonia da música portuguesa da década de 80, juntando artistas como Mão Morta, Telectu ou Sei Miguel.

Da história ao fruto do presente, Ela é uma Música de Francisca Marvão trata as mulheres que têm marcado diferentes espectro das música nacional, passando por Lena D’Água ou Adelaide Ferreira até a figuras mais recentes como as Pega Monstro ou a Cláudia Guerreiro, baixista de Linda Martini, numa importante fita sobre o papel e o lugar da mulher na cena nacional. Já Batida de Lisboa, de Rita Maia e Vasco Viana, aborda a influência das raízes africanas no novo som da cidade das sete colinas, passando o olho pela label Príncipe até às canções de Dino D’Santiago.

Os Arquivos Kino-Pop, três episódios em estreia de uma série que Edgar Pêra está a preparar sobre músicos da geração de 80, vão apresentar no IndieLisboa as respectivas partes sobre Pedro Ayres Magalhães, Farinha Master e Manuel João Vieira & Os Irmãos Catita.

Também em cartaz no programa IndieMusic está A Bright Light – Karen and the Process de Emanuelle Antille sobre a musa esquecida dos 60’s, Karen Dalton; Fire Music de Tom Surgal aborda a revolução free jazz de Chicago centrando as atenções em Albert Ayler, Eric Dolphy, Sam Rivers e Sun Ra; Miles Davis: Birth Of The Cool, de Stanley Nelson, aproxima-nos a esta obra-prima do jazz e as barreiras que conseguiu romper.

John and Yoko: Above Us Only Sky, de Michael Epstein, é bastante directo no seu título sobre a vida de Lennon pós-Beatles; Leto de Kirill Serebrennikov é um filme inspirado na vida e influência de Viktor Tsoi, co-fundador de Kino, um dos mais populares e musicalmente influentes nomes da história da música russa; Parallel Planes, de Nicole Wegner, retrata doze músicos norte-americanos sobre a música enquanto ferramenta de crítica à política e à sociedade – entre eles Michael Gira, Ian MacKaye e Jamie Stewart. Michael Gira é até figura central de destaque em Where Does A Body End?, de Marco Porsia, naquele que é o primeiro documentário autorizado sobre o mito Swans.

We Intend to Cause Havoc, de Gio Arlotta, é um retrato aos Witch, a banda mais popular da Zâmbia e considerados os Beatles da África Central; August At Akiko’s, por Christopher Makoto Yogi, vislumbra o regresso de Alex Zhang Hungtai ao Havai, onde cresceu; e, por fim, Tendy Pendergrass: If You Don’t Know Me, de Olivia Lichtenstein, percorre a carreira do primeiro músico negro a receber cinco álbuns de platina consecutivos e a sua história de superação.

A programação completa e os filmes a concurso podem ser consultados no site oficial do IndieLisboa e os bilhetes já se encontram à venda nas bilheteiras da Culturgest, Cinema São Jorge, Cinema Ideal e no site da Ticketline.

Leave a Reply

Your email address will not be published.