Parece que foi ontem que a Amplificasom se jogou à primeira edição do Amplifest. Decorria o ano de 2011 e a promotora, na altura com apenas cinco anos de actividade e ainda com um blog que desenvolveu uma empatia e uma proximidade únicas para com os seguidores, realizou o sonho de estrear Godflesh em terras nacionais. E se a banda de Justin Broadrick e G.C. Green já era um dos nomes mais transversais aos gostos da promotora, dos fãs e até dos músicos agendados ao longo dos anos, não poderia surgir melhor nome em cartaz no ano em que a Amplificasom faz dez anos. A sua melhor prenda é poder-nos trazer Neurosis pela primeira vez.

O Amplifest 2016 decorre em pleno nos dias 20 e 21 de Agosto no Hard Club, Porto, mas há uma oferta mais extensa para quem teima em chegar mais cedo e para quem não deseja abandonar a invicta – acessível apenas a portadores do passe Extended Experience. Fala-se em partidas e em chegadas porque, segundo a organização, a percentagem de estrangeiros nesta edição do evento roça os 60%. Posto isto, a 19 de Agosto há rajadas sónicas de Aluk Todolo no Cave 45 e no dia 22 o Passos Manuel honra a presença de Steve Von Till a solo, com primeira parte de The Leaving.

Mas já sabemos, por experiência anterior, que o coração do Amplifest bate nos corredores e nas duas salas do Hard Club. Já nos habituámos às alterações na pulsação sempre que por lá circulamos e esperemos que se repita nesta edição. Constatando o óbvio, os Neurosis estreiam-se em Portugal depois de um percurso de três décadas. E fá-lo na iminência de novo álbum – Fires Within Fires é lançado no próximo dia 23 de Setembro – tendo uma ocasião perfeita para conjugar um tremor de passado, presente e futuro.

O outro cabeça-de-cartaz, se tal termo fizer sentido no Amplifest, é um nome já rodado nos palcos nacionais. Os japoneses Mono têm-nos vindo mostrar os seus novos discos com regularidade – e isso é culpa da Amplificasom – mas actuam pela primeira vez no monstruoso evento que a promotora criou. Também têm um novo disco na mira, a sair lá para Outubro, que sucede ao duplo The Last Dawn/Rays Of Darkness de 2014.

A experiência do Amplifest sustenta-se nas variantes que o cartaz em geral oferece. É para um nicho, é claro, mas é um nicho que sabe ler Anna Von Hausswolff como uma voz invulgarmente negra surgida na cena indie pop sueca. Um nicho que sabe reconhecer que em Roly Porter e Prurient há beats mais virulentos e cenários mais devastadores do que uma linha de guitarras barítonas. Mas também é este nicho que acolhe a sanfona remota de CHVE, projecto a solo de Colin H. van Eeckhout de Amenra, a vanguarda de Kayo Dot de Toby Driver e ainda uma série de mimos além-concertos que o Amplifest proporciona. Falamos claro das Amplitalks, onde é permitido conhecer a história e os métodos de alguns músicos em cartaz, e falamos das listening sessions no espaço exterior do Hard Club, onde poderão ser escutados os novos álbuns de True Widow, Memoirs Of A Secret Empire, Woven Hand ou ATILA, citando apenas alguns. Destaque também para a apresentação do segundo volume de Nós Somos a Tempestade, livro de Luiz Mazetto, e para as fitas Backstage e The Melvins Across The USA In 51 Days: The Movie.

De regresso à música ao vivo, sublinhamos a passagem de três projectos relacionados à Church Of Ra. Para além de CHVE, passam pelo Amplifest também The Black Heart Rebellion e Oathbreaker. E os segundos até têm aqui uma boa oportunidade para desvender mais um pouco do véu de Rheia, o terceiro álbum que será lançado no próximo mês de Outubro.

Hope Drone e Downfall Of Gaia garantirão o habitual ambiente negro da Sala 2 do Hard Club, enquanto Minsk, Caspian e Kowloon Walled City tomarão o palco da Sala 1 para doses distintas de peso e melodia. Não menos importantes, estão confirmados também Tiny Fingers, Sinistro, Altarage, Tesa, Redemptus e Névoa.

“Se os públicos fazem-se conquistar com empenho e trabalho, os eventos especiais fazem-se na fronteira do risco entre um potencial falhanço e o altar da consagração, e ver a paixão e a dedicação que a malta da Amplificasom estampa em cada evento que organiza é um verdadeiro prazer”, assim o afirmámos após a edição do ano passado. Tudo parece indicar que o fogo dessa paixão ganhará ainda mais força de 19 a 22 de Agosto.

Leave a Reply

Your email address will not be published.