O Musicbox, em Lisboa, celebrou o seu oitavo aniversário com uma grande oferta musical e estivemos presentes em duas noites – vimos Mac DeMarco, Batida, Fumaça Preta, entre outros.

Entre 2 a 6 de Dezembro este espaço de Lisboa recebeu vários nomes nacionais e internacionais. No dia 2 recebeu concertos de Guerilla Toss e Pista, no dia 3 foi a vez de Moullinex e Experimentbox e no dia 4 foi noite de surpresa. Estava marcado no alinhamento as actuações de Fumaça Preta, Awesome Tapes From Africa e ainda DJ Izem, mas o canadiano Mac DeMarco, anunciado no próprio dia, ajudou à festa.

As filas fizeram-se enormes para conseguir espreitar esta sala do Cais do Sodré, em noite de entrada livre, de forma a ter um mínimo olhar sobre o músico que já editou e Salad Days, depois de uma passagem sua por cá no festival Vodafone Paredes de Coura (ver reportagem respectiva, aqui). Temos uma fotogaleria ilustrativa da noite que pode ser visualizada abaixo.

Fotografia: Telma Correia

 

No dia seguinte a festa continuou com Ikonoklasta e Batida.  Com a casa cheia, projecto afro-mundis do artista, e activista, Pedro Coquenão trouxe-nos temas frescos e novíssimo do novo álbum Dois (o segundo do grupo), e “Luxo” foi a faixa escolhida para dar início à festa. Muito mais do que um projecto musical, já se esperava uma combinação em perfeita complementaridade da dança e do vídeo. A compor o cenário, houve bailarinos (cada um na sua vez) e vídeos ilustrativos de filmes angolanos – um elemento já bem conhecido das canções do grupo, sob a forma de sample.

Dança, poesia, ilustração, fotografia, rádio e vídeo, tudo são componentes essenciais do projecto Batida, usados para abordar temas políticos e sociais, e, ao mesmo tempo, para fazer a festa como mais ninguém domina. O público saltava e bailava fervorosamente. As danças são quentes e frenéticas assim como a polifonia de ritmos, electrónica tribal do afrohouse, ao kuduro ou ao semba.

Igualmente activista para regime político angolano, na t-shirt que aperta do peito lê-se: «Escravidão do MPLA» – Ikonoklasta (em estreia), iniciou a festa num outro tom – com rimas militantes e austeras – e trouxe consigo convidados como Valete e Aline Frazão, também convidado pelos Batida a subir ao palco para lhe dar uns toques na «tarraxinha» perfeitamente ritmada por Ivo, o drummer-master de Batida, já sem calças e empunhando a bandeira de Angola numa das mãos.

A recta final trouxe-nos os hinos “Alegria” e “Tirei o Chapéu”. No final, para além de serem distribuídos apitos amarelos para que se «fizesse barulho», foi pedido ao público que tocasse em sintonia com os cantores e bailarinos, o que fez do final do concerto uma improvisação real. Uma rebelião de energias que parece gritar «estamos juntos nisto!».

Texto: Marina Rei
Fotografia: Telma Correia

 

As celebrações da Musicbox 8th Birthday Week terminaram no dia 6 de Dezembro com as actuações de Tatu Rönkkö + Efterklang, Coclea e Mário Valente & Mr Mitsuhirato.

Um feliz aniversário, Musicbox.

 

Leave a Reply

Your email address will not be published.