A edição de 2014 do Vodafone Mexefest decorre nos dias 28 e 29 de Novembro ao longo de várias salas junto à Avenida da Liberdade, em Lisboa. São mais de quatro dezenas de concertos em onze salas e ainda em dois autocarros, que assegurarão o teu transporte pelos espaços dedicados ao evento. Consulta todo o cartaz, aqui.

Há muito para ver e dificilmente uma dúzia de pessoas terá um roteiro em comum. Existem limitações nas salas e preferências musicais, é claro, mas nós lançamos, como já tem vindo a ser hábito, dez motivos de muitos mais para comparecer e não perder no Vodafone Mexefest.

 

#01 Explorar a Avenida da Liberdade 

O Mexefest faz, como o nome diz, mexer. Faz mais precisamente mexer ao longo da Avenida da Liberdade e espaços adjacentes. Tanto podes procurar ver uma actuação na Estação Ferroviária do Rossio como uma nas duas salas do Cinema São Jorge. Ainda podes aproveitar as deslocações para ir à boleia de um Vodafone Bus, que terão actuações sobre rodas de Turbo Balkan Beats e Zanibar Aliens. Mexe-te!

 © Alexandre Paixão

© Alexandre Paixão

 

#02 St. Vincent 

Surge à cabeça do Vodafone Mexefest e não é por acaso. Annie Clark responde por St. Vincent e editou em 2006 o seu primeiro álbum, Marry Me. Desde aí, com o selo da 4AD, deu-nos Actor Strange Mercy, para além de um disco a meias com David Byrne, Love This Giant. Em 2014 regressa aos discos pela mão da Loma Vista e da Republic Records com um homónimo St. Vincent – provavelmente o trabalho mais definitivo e certeiro da sua carreira, apontado como forte candidato aos lugares cimeiros dos melhores álbuns do ano.

#03 Sharon Van Etten 

Continuando a senda no feminino (e tanto que dele há nesta edição do Mexefest), Sharon Van Etten consegue a atenção que já merecia há muito ao sexto álbum, se contarmos com Tramp Demos. Are We There é também um dos discos mais cotados pela imprensa em geral e merece ser passado a pente fino em palco pela norte-americana.

#04 Wild Beasts 

A verdade é que Present Tense, continuando na senda de bons álbuns saídos este ano, também é um deles. Deste novo de Wild Beasts já vimos sair temas orelhudos como “Wanderlust”, “Mecca”, “A Simple Beautiful Truth” e ainda “Palace”. Já são quatro singles de um lançamento de música electrónica muito bem sucedido e pronto a abanar as ancas pelo Coliseu dos Recreios.

#05 Palma Violets

Os Palma Violets são daquelas bandas que só queremos ver o seu pressuposto sucesso confirmado. A banda tem três anos e lançou o seu primeiro álbum no ano passado, intitulado de 180. Foi neste disco que foi incluído o single com que se mostraram ao mundo do rock – “Best Of Friends”. Credenciais a confirmar de uma banda em clara ascensão.

#06 Cloud Nothings 

De quem já não precisamos confirmar nada é algo vindo dos Cloud Nothings. Para 2014 deram-nos Here And Nowhere Else, também candidato aos lugares cimeiros nas selecções de discos do ano, e um espírito punk revitalizado nas suas guitarradas. São apenas três mas prometem fazer mexer muitas centenas a fazer aquilo que sabem fazer como poucos – tocar aquele rock cru sem rodeios que se prende ao ouvido.

#07 Curtis Harding 

É um nome desconhecido até ao ano que decorre, mas promete dar que falar nos próximos. Curtis Harding acaba de lançar o seu álbum de estreia, Soul Power, onde se mostra um pequeno mestre do soul, do R&B e até do rock n’ roll. Deste disco faz parte o single “Keep On Shining”, que até à primeira audição já nos parece tão familiar. Fica aqui a recomendação de um concerto que promete surpreender.

#08 JJ 

O nome é simplista. JJ é um duo sueco formado por Joakim Benon e Elin Kastlander que terá a oportunidade de se mostrar a Lisboa com uma actuação na Igreja de S. Luis dos Franceses – um cenário ideal para a sua electrónica angelical e minimalista, em tons bastante pálidos. Uma proposta diferente do comum.

#09 Perfume Genius 

Mike Handreas é Perfume Genius. Já ao terceiro álbum, e sempre com o selo da Matador Records, este consegue finalmente um foco maior da imprensa e da atenção mundial com Too Bright com música pop sincera e muito própria. Deste álbum sai “Queen”, um tema com alguma repercussão nas nossas rádios e até na nossa televisão.

#10 Sangue novo na música portuguesa 

Uma das grandes vantagens do Vodafone Mexefest está na oferta que este dá à música portuguesa. Tirando a referência que são os Clã, temos um cartaz repleto de nomes a emergir no nosso país: a electrónica dançável dos Sensible Soccers, o hiphop de Capicua, novidades como Éme, Savanna e Modernos, o rockuduro de Throes + The Shine e ainda as canções de Salto e Ana Cláudia. Em caso de dúvida que concerto deves ver a determinada hora, porque não conhecer mais e melhor do que se faz por cá?

Autor: Nuno Bernardo

Leave a Reply

Your email address will not be published.