A realização deste concerto durante a tarde, já era um bom aliciante para se garantir uma boa enchente. O cartaz, esse, era bem conhecido, e tinha tudo para proporcionar um belo serão, mas a Republica da Musica acabou por ficar muito despida. Há poucos anos reclamava-se que havia poucos concertos. Agora que há concertos com maior regularidade, ninguém sai de casa…

Após uma espera de largos minutos, na esperança de chegar mais pessoas, os BurnDamage lá subiram ao palco para mais uma descarga demolidora, com Inês Freitas nos comandos. Sempre com um público tímido à sua frente, a banda fez o que pode para ver alguns movimentos no centro da sala, mas nada. “Reborn”, “Burn’Em All” e “Total Chaos” – muita malha boa que ainda conseguiu agarrar uns headbangs, com o guitarrista Nuno cheio de energia, como vem sendo habito. E foi deixada a promessa de um novo EP em breve.

Setlist: Reborn | Addict | Against | My Own Game | Burn’Em All | Age Of Vultures | Slaughterhouse Of Cowards | Total Chaos

 

Com um álbum prestes a ser lançado, os Nuklear Infektion aproveitaram a ocasião para mostrar muitas malhas novas. Com muitos problemas de som, algo que Miguel Tereso dos Primal Attack tentou solucionar, e a falta de prática no que toca às músicas novas, o concerto dos Nuklear Infektion soube a muito pouco e foi, em certos momentos, um pouco sofrível, devido às questões já mencionadas. Durante todo o concerto, o guitarrista Afonso Veiga tentou por diversas vezes incentivar o público, mas este estava em dia não.

Setlist: Unleashing the Chaos [música nova] | Weapons of Massive Genocide | Let There Be Blood [música nova] | [música ainda sem título] | Breathe [música nova] | Progress’Holocaust | [música ainda sem título] | Preachers of Lies

 

Também com um álbum novo a ser forjado, os Tales For The Unspoken de Coimbra regressaram à capital vindos do Porto, após terem tocado na noite anterior com os Equaleft, e outros convidados. Já com mais experiência em palco, quando comparados com as bandas anteriores, os Tales For The Unspoken mostraram-se coesos e pouco se sentiu o cansaço das viagens feitas nos últimos dias. Antes de encerrarem o concerto com a tradicional “N’Takuba Wenna”, foi tocada uma música nova que estará presente no próximo álbum.”I Claudius”, escrita por Rui Alexandre, guitarrista de Terror Empire, e que tem a participação de Miguel Inglês (vocalista de Equaleft), deu indícios de vir ai algo potente nos próximos tempos.

Setlist: Just Another War | There You Stand | Possessed | Soul for a Soul | Say My Name | I Claudius | N’Takuba Wenna

 

Para o fim ficou Primal Attack. Com energia para dar e vender, e ainda com um único álbum gravado, a banda não tinha por onde escolher, e tratou de o mandar quase todo cá para fora. Com o público já mais activo, quando comparado com o resto da tarde, a banda deu mais um grande concerto, com vocalista Pica sempre em evidência, e com os guitarristas Miguel Tereso e Tiago Câmara em sintonia, a trocarem riffs e solos entre si. “Despise You All” teve como sempre a participação de Hugo dos Switchtense, e houve também direito a uma música nova, intitulada de “Above the Line”.

Setlist: Not Enough | Strange Attraction | Despise you all | Safe and Strong | Time to Reset | Mindwalker | Above the Line | No Respect

 

Reportagem: Marco Pires
Fotografia: Marta Casal

Leave a Reply

Your email address will not be published.