Ao fim de dois anos de afastamento dos palcos lisboetas, os portuenses Holocausto Canibal voltaram à capital para um concerto na República da Música, em Alvalade, na companhia das bandas Brutal Brain Damage e Shadowsphere.

 

Após os atrasos habituais e com a sala ainda pouco cheia (cenário que, de resto, não mudaria muito à medida que a noite avançava), os primeiros a subir ao palco foram os Brutal Brain Damage. Apesar da apatia constante do público, o grindcore da banda de Ourém pareceu agradar. Com uma setlist essencialmente focada no álbum Brain Soup (2012), e com uma prestação bastante dinâmica por parte do vocalista Carlos Lopes, a banda conseguiu obter uma reacção bastante positiva por parte dos presentes que, a partir daí, pareceram cair numa espécie de letargia, resumindo-se ao estado de múmias paralíticas. Após o tema “Unleash the Fury”, a banda dedicou a última parte da set ao seu próximo lançamento: seguiram-se “Ah Oui, C’est Ça Qu’c’est Bon!”, “ Hit the Head”, “Cum On My Shoulder”, “Le Cock Sportif” e, a terminar, “Dildo Bangins”.

Já perto das onze da noite, foi a vez da banda Shadowsphere. A primeira música, “Suicide Reign of Salvation”, lançou desde logo o mote: o público não se iria mexer. Seguiram-se os temas “The Everlasting Dream” e “Red Dawn”; a terminar, uma cover de Kiss, “Love Gun”, enquanto que o vocalista, mascarado, deixava uma imagem verdadeiramente inesquecível na cabeça dos presentes.

Por fim, subiram ao palco os Holocausto Canibal. Apesar da grande qualidade do concerto e dos vários incentivos, não só por parte do vocalista Ricardo Silva, mas também dos outros membros da banda, o público mostrou-se inflexível em demonstrar algum entusiasmo. A setlist escolhida pela banda, bastante longa, atravessou os vários lançamentos, desde o já “velhinho” Gonorreia Visceral (2000), com o tema “Septicemia Vaginal”, até ao mais recente, Gorefilia (2012). Apesar do fraco feedback, houve ainda tempo para um pequeno encore: “Amizade Fálica”, seguida de das covers “Zombie Apocalypse” e “Reaping the Earth”.

Apesar da qualidade das prestações em palco, a noite acabou por ficar marcada pela fraca adesão do público, que esteve longe de fazer jus ao desempenho das várias bandas. Fica para a próxima.

 

Setlists:

Brutal Brain Damage: Intro | Ten Ten | You Must Die | Suicide Jesus | Shit Happens | First Blood | Scum On | Spit Fire | Brain Soup | See U Later | I Scream Milk | Pussy Grinder | Unleash the Fury | Ah Oui, C’est Ça Qu’c’est Bon! | Hit the Head | Cum On My Shoulder | Le Cock Sportif | Dildo Bangins

Shadowsphere: Suicide Reign of Salvation | The Everlasting Dream | Red Dawn | Damnation | Screaming Silence | Gehenna | Love Gun (Kiss cover)

Holocausto Canibal: Cortex | Lactofilia Destalhada | Prepúcio Obliterado | Mutilada em 10S | Objectofilia Platónica | Porno Hardgore | Supremacia Carnivora | Trucidada na Paragem | Empalamento | Sangue | Infecção | Fetofilia – I.S.F. | Compulsão Mucofágica | Necro-Felação | Possuida Pelo Grind | Gore & Gajas | Afogada em Vómito | Vulva Rasgada | Punição Anal | Perfurada por Anzóis | Violada pela Motoserra | Septicemia Vaginal | Gorgasmos | Prenha de um Canídeo | Micose Cotovelar | Cadavérica Ejaculação Espasmódica
Encore: Amizade Fálica | Zombie Apocalypse (Mortician cover) | Reaping the Earth (Extreme Noise Terror cover)

 

Reportagem de Rita Cipriano.

Fotografias de João Ouro.

One Response

Leave a Reply

Your email address will not be published.