Focus e Yes são pela primeira vez apresentados neste Fundamentais do Progressivo, mas, decerto, não serão mencionados pela última vez. Tanto um disco como o outro foram lançados no início da década de 70, e são, ainda hoje, dois marcos do rock progressivo. Ambos álbuns, abaixo apresentados, são bastante importantes para criar a imagem de complexidade instrumental que é, muitas vezes, associada a estas duas bandas icónicas.

Focus – 1970 – In And Out Of Focus

Este álbum marca a estreia do grupo, holandês, de rock progressivo, conseguindo neste In And Out Of Focus, muitas vezes denominado Focus Plays Focus, um dos melhores lançamentos da sua carreira. O grupo é, maioritariamente, conhecido pela sua faceta instrumental, onde consegue combinar instrumentos de sopro, bateria, guitarra, baixo e o mellotron, de forma exímia.

Este lançamento contém, apenas, um instrumental, “Focus”, com quase 10 minutos de duração. Admito que este primeiro disco está longe de ‘fazer frente” a álbuns posteriores, mas para estreia consegue ter, aqui, um bom registo de rock progressivo nas faixas, “Focus” e “Anonymous”, as mais longas.

Lista de faixas para In And Out Of Focus:
01. Focus (vocal)In_And_Out_Of_Focus
02. Black Beauty
03. Sugar Island
04. Anonymous
05. House Of The King
06. Happy Nightmare (Mescaline)
07. Why Dream
08. Focus (instrumental)

Como disse acima, este disco não é a epítome  do rock progressivo, contendo, apenas, duas faixas, verdadeiramente, progressivas. As restantes músicas são bem mais melódicas e de mais curta duração, com um sentido mais comercial. Apesar de ser, de facto, um álbum, relativamente, inconsistente, Focus consegue fornecer aos ouvintes mais de 30 minutos de bom rock, que apesar de não ser sempre progressivo, tem bons apontamentos técnicos, boa produção e boas indicações para os álbuns seguintes.

Focus – In And Out Of Focus (álbum na íntegra)

Yes – 1972 – Close to the Edge

Ao contrário do disco dos Focus, este Close To The Edge é considerado, por muitos, como um dos mais complexos e mais bem conseguidos álbuns do rock progressivo. É, de certeza, um marco do género e um dos melhores, senão o melhor, da discografia do grupo londrino. Felizmente, Yes sempre foi uma banda em que o sucesso comercial reinou, conseguindo muito bons resultados comerciais em grande parte dos seus lançamentos, isto apesar de não serem uma banda comercial e de ‘fácil audição’, basta, por exemplo, ouvir o álbum conceptual, Tales from Topographic Oceans, que será futuramente apresentado no Fundamentais do Progressivo, com quase hora e meia de duração.

Lista de faixas para Close to the Edge:
01. Close To The EdgeClose to the Edge
02. And You And I
03. Siberian Khatru

Está longe de ser dos álbuns mais longos e complexos da banda, mas é, garantidamente, o de maior qualidade, na minha opinião. É neste disco de estúdio, que a formação clássica dos Yes consegue, muito provavelmente, ter a melhor exibição da sua carreira, compondo um trio de faixas fenomenal, em que duas delas são conceptuais. É, ainda actualmente, um disco a seguir para músicos, alunos, críticos profissionais e fãs do género. Por várias vezes, considerado como um dos melhores álbuns de todos os tempos, projectou a banda para níveis intocáveis de sucesso e reconhecimento.

A produção é bastante bem sucedida, o conceito, letras e a própria duração das faixas ajuda a solidificar a qualidade do álbum. Mais tarde, as duas primeiras faixas seriam ‘desmontadas’ e relançadas em versões deluxe nas décadas posteriores.

Yes faz parte do lote de bandas cuja discografia oferece uma panóplia de álbuns de excelente qualidade, facilitando a ‘vida’ a qualquer apreciador, fã ou escritor de secções deste género. Obviamente, Yes, estarão presentes em mais artigos com, pelo menos, mais dois ou três álbuns.

Yes – Close to the Edge (álbum na íntegra)

// João Braga

Leave a Reply

Your email address will not be published.