Mini-Tour de Apresentação do DVD

“Switchtense – 10 Unbreakable Years”

A Ruído Sonoro teve o prazer de estar presente nos três concertos de apresentação do DVD que marca a primeira década de existência dos Swichtense. Desde já os nossos parabéns à banda e admiração pelo trabalho que têm vindo a desenvolver, não só em prol da sua carreira mas de todo o Metal nacional. Aqui ficam os testemunhos dos nossos repórteres.
[divide]

Switchtense + Angelus Apatrida + Revolution Within + Terror Empire

Hard Club, Porto 15/02/2013

Foi com um ambiente de ânsia que os fãs do Thrash Metal ibérico se juntaram para celebrar o regresso de duas bandas que, ultimamente, se têm tornado incrivelmente populares no panorama Underground, os Angelus Apatrida e os Switchtense. Estas bandas demonstraram, quanto mais não seja pelo tamanho dos moshpits que geraram, o que significam para o Metal nacional. Mas já lá vamos. Antes, tivemos a presença das bandas Terror Empire e Revolution Within, que aqueceram adequadamente, durante cerca de meia-hora cada, o ambiente do Hard Club. Os primeiros, com a sua rapidez extrema old-school, a reavivar os velhos anos 80, iam criando o caos, perante uma plateia que crescia em número. Os Revolution Within, mantendo os níveis de agressividade em alta, continuavam a fazer o público abanar a cabeça, com um concerto competente que contou com a presença de uma das “estrelas” da noite, o vocalista dos Switchtense, Hugo Andrade. Foi assim, com esta presença, que foi dado o lugar à única banda não portuguesa do cartaz, os Angelus Apatrida. Com uma setlist mais versada nos dois últimos álbuns, a banda “disparava” música atrás de música, sempre interagindo com uma audiência agora bem populosa e adequadamente caótica. Caos esse que se alongou à performance dos cabeças de cartaz Switchtense, banda que celebra os seus 10 anos com esta mini-tour. Percorrendo um pouco de toda a sua carreira, este foi um concerto demolidor, com uma grande interacção com o público, que por mais de uma vez invadiu o palco onde a banda tocava. Uma noite que certamente marcou, em todos os sentidos da palavra, os presentes.

Texto: João Vinagre
Fotos: Rita Mota

[divide]

Switchtense + Angelus Apatrida + Tales For The Unspoken

Beat Club, Leiria 16/02/2013

Coube aos coimbrenses Tales For The Unspoken tocar os primeiros acordes nesta noite fria em Leiria, uma hora após a abertura de portas. Com uma plateia que se ia compondo aos poucos, a banda aqueceu o ambiente com seis temas, com destaque para ‘Say My Name’ e especialmente ‘N’Takuba Wena’, que resultam melhor ao vivo do que em estúdio. Passavam vinte e dois minutos da meia noite, já com o Beat bem composto, quando os nuestros hermanos Angelus Apatrida iniciaram a sua actuação enérgica, de Thrash mais técnico, provocando os primeiros circle pits no pequeno mas acolhedor espaço do Beat Club. Músicas como ‘You’re Next’ e ‘Fresh Pleasure’, esta última com o Hugo dos Switchtense na voz, foram alguns dos momentos mais marcantes desta atuação vocal e instrumentalmente impressionantes. Destaque também para a dedicatória especial do tema ‘Corruption’ aos governos ibéricos. Finalmente, às 1:30, os reis da festa subiram ao palco e partiram tudo. Abrindo com ‘Face Off’, a banda percorreu quase na íntegra a setlist do DVD que apresentavam nesta mini tour, sempre extremamente comunicativa e positiva, interagindo com o público, apelando ao apoio ao metal e rebelando-se contra aqueles que ficam em casa e baixam os braços. Três novos temas (‘The Right Track’, ‘Ghosts Of Past’ e ‘We Will Always Be The Same’) foram especialmente intensos, bem como os clássicos ‘Unbreakable’ e ‘This Is Only The Beginning’. Mais uma noite marcada pela extrema boa disposição e amizade entre bandas e entre o público, numa sala cuja acústica é invejável e onde praticamente não houve uma falha no som.

Texto: David Matos
Fotos: Marina Silva

[divide]

Switchtense + Angelus Apatrida + Primal Attack + Nuklear Infektion

República da Música, Lisboa 17/02/2013

A chuva e o mau tempo na capital deverá ter contribuido para que o início dos concertos começasse um pouco mais tarde, sendo os Nuklear Infektion alvo de uma casa já mais ou menos composta. O seu thrash metal jovem deu para aquecer alguns ânimos, ainda que fosse com Primal Attack que a casa começou a ressentir o peso das movimentações. As duas bandas conseguiram fertilizar o terreno para a República da Música receber os espanhóis Angelus Apatrida, cuja última passagem pelo vale do Tejo se tinha dado pela Moita. Com ‘You Are Next’ o público foi severamente atacado com thrash técnico de ritmos alucinantes, apelando a uma rotação maior do circle pit que compunha um terço da plateia. A boa disposição e a grande intensidade do concerto foi constante, dando a Lisboa uma prestação irrepreensível, e com um wall of death digno de registo em ‘Give ‘Em War’. Mas a tarde (a esta hora, já noite) era dos Switchtense, que tinham uma sala bem composta para celebrar o lançamento do DVD. ‘Face Off’ abriu as hostes para um alinhamento de alto gabarito, com ‘Unbreakable’, ‘State Of Resignation’ ou ‘Into The Words Of Chaos’ a merecer maior destaque. As novas ‘The Right Track’ e ‘Ghost Of Past’ foram apresentadas ao vivo pela primeira vez em Lisboa, sendo ‘Infected Blood’ a razão pela qual o público não quer um fim de concerto de Switchtense. Para um regresso ao palco após pedido dos presentes, ‘We Will Always Be The Same’ e ‘This Is Only The Beginning’ traçaram o objectivo de que a banda pretende mais dez ou vinte anos para celebrar.

Texto e Fotos: Nuno Bernardo

Leave a Reply

Your email address will not be published.