:OF THE WAND AND THE MOON:

The Lone Descent

[CD – Heiðrunar Myrkrunar – 16 Set. 2011]

Ao fim de seis anos de silêncio, Kim Larsen voltou aos lançamentos com The Lone Descent (2011). Sucessor de Sonnenheim de 2005, é o quinto álbum do seu projecto Of the Wand and the Moon. Igual a si mesmo, Larsen não desiludiu, compondo uma obra prima repleta de atmosferas penetrantes, marcadas por ritmos diferentes e um sentimentalismo desolador.

Apesar de ser um óbvio sucessor de Sonneheim, este The Lone Descent é um passo em frente. Cada música é uma pequena obra de arte, onde mais uma vez o “vazio” e a “solidão” são palavras chaves, conjugando de forma irrepreensível o carácter poético das letras com o seu aspecto musical, completando-se.

Apesar das atmosferas avassaladoras presentes em músicas como “A Pyre of Black Sunflowers”, “Is It Out of Our Hands?” ou “A Song for Deaf Ears in Empty Cathedrals”, o álbum consegue conter uma grande variedade de ritmos e texturas, como provam músicas como “Tear It Apart” ou “We are Dust” (originalmente presente no EP de 2010 It’s Like Dying on Christmas Day), que mostram um lado mais ritmado e acessível, reflectindo um equilíbrio perfeitamente conseguido entre sons mais complexos e outros mais “catchy”. Estes sons mais comerciais, que acabam por fazer a ponte entre as grandes peças atmosféricas, tiveram também, e pela primeira vez, direito a video clip, como é o caso das músicas referidas.

A verdade é que, ao longo das onze músicas que fazem parte do álbum, podemos encontrar um pouco de tudo: um reflexo da alma humana e dos sentimentos mais profundos que a compõem, com uma desolação latente como pano de fundo.

De resto, continuamos perante um álbum que se desenvolve essencialmente em torno de uma guitarra, com a presença de vários elementos electrónicos (talvez um pouco mais do que no lançamento anterior), e recorrendo a instrumentos como o violino, o violoncelo ou o piano.

Apesar de muitos o terem acusado como o álbum mais triste dos Of the Wand and the Moon, The Lone Descent é a derradeira prova do valor musical da banda, mostrando um amadurecimento musical por parte de Kim Larsen que já se vinha a sentir nos seus últimos trabalhos. É um álbum de uma beleza ímpar.

 

“I brace myself as my heart implodes
Reach out for the sunlight never to unfold
We move through the silence and dive into darkness
Succumb to the emptiness of this lone descent”

The Lone Descent tracklist:

  1. Sunspot
  2. Absence
  3. A Pyre of Black Sunflowers
  4. Tear It Apart
  5. We Are Dust
  6. A Tomb of Seasoned Dye
  7. Is It Out of Our Hands?
  8. Watch the Skyline Catch Fire
  9. The Lone Descent
  10. Immer Vorwärts
  11. A Song for Deaf Ears in Empty Cathedrals

 

Related Posts

Leave a Reply

Your email address will not be published.