Banda: Aggression
Álbum: Viocracy
Data de Lançamento: 2 de Fevereiro de 2012
Editora: Xtreem Music
Género: Thrash Metal
País: Espanha

Site Oficial | Facebook | last.fm

Membros:

Pol Luengo – Voz, Guitarra
Oscar Reka – Guitarra
Carlos Leonardo – Baixo, Voz de suporte
Jose Rosendo – Bateria


Alinhamento:
01. False Flags
02. Chemical Slavery
03. Viocracy
04. MK Ultra
05. Get Mad
06. Human Nature
07. Awake Awareness
08. Dehumanized
09. Victims Of Bias

Os catalães AGGRESSION deixaram para este primeiro trimestre de 2012 o lançamento do sucessor de “MoshPirit”, já datado de 2009. Emergindo de uma nova corrente de bandas determinadas a fazer reviver o thrash metal da velha guarda, esta banda de Barcelona parece querer pertencer à primeira linha do movimento.

O trocadilho que dá nome ao álbum, “Viocracy” (Violence + Democracy), faz perceber a profundidade e a intensidade da composição do quarteto. A introdução de ‘False Flags’, com um discurso de George W. Bush, não deixa dúvidas sobre a temática rebelião bastante comum do thrash metal dos anos 80. Umas riffalhadas ‘daquelas que todos gostam’ e o poderio de bateria de Jose Rosendo provam que os AGGRESSION não emulam as grandes referências do género, mas provam que sabem beber (muito bem) das suas influências. A voz de Pol Luengo é tanto esganiçado quanto a de Dave Mustaine nos seus anos dourados e a banda soube também explorar elementos mais técnicos e progressivos de uns CORONER e explosões mais directas como as de KREATOR. Tal como em Portugal, também Espanha começa a dar grandes motivos para exportar o metal praticado.

Todo o álbum oferece um thrash metal bastante bem explorado e seguro de si, com uma confiança certamente invejada.

// Nuno Bernardo

 Classificação: 80/100

Leave a Reply

Your email address will not be published.