Por volta das 21h, os eslovenos NOCTIFERIA deram início a uma noite memorável que fez o Hard Club parecer a melhor sala de espectáculos do país. Embora tenham começado por tocar apenas para meia-sala (talvez por causa do jogo de futebol) a banda deu um concerto com um início poderoso e enérgico, energia essa que se foi perdendo (mais por parte do público) ao longo dos 45 minutos de concerto. O facto de o som da banda se tornar, por vezes, repetitivo; e o facto de muitos não conhecerem o trabalho da banda (que veio apresentar o álbum “Death Culture”, de 2010) fez com que a euforia inicial desvanecesse e ouviram-se muitos “quando é que isto acaba?” no meio da audiência, despertando a curiosidade de alguns apenas quando o vocalista se tornou também percussionista. Mas foi um bom concerto que, certamente, encheu as medidas aos fãs presentes.
Os IN FLAMES entraram em palco de uma forma espantosa e desde logo se notou o excelente mas subtil espectáculo de luz (até se cantou os parabéns ao técnico, que completava 33 anos de idade). É de reparar que os In Flames têm recebido inúmeras críticas devido ao seu “novo” som, especialmente depois da perda do membro fundador Jesper Strömblad, portanto este concerto com lotação esgotada prometia uma surpresa que poderia desiludir muitos. Mas tal não aconteceu. Os suecos deram um concerto majestoso, combinando os temas de forma inteligente e sempre com uma postura divertida. Estava escrito nos rostos de cada membro a paixão com que se entregavam a cada música e o quanto se divertiam a tocá-las. Mas e o público? Bem, eu não vi uma única alma que não se estivesse a divertir. O vocalista Anders Friden interagiu bastante com o público chamando fãs ao palco, tirando-lhes fotografias e sorrindo para as câmeras.

Sendo a primeira data da “tour” a setlist do concerto era um mistério para todos os presentes. Iniciaram a sua actuação com o 1º tema do novo álbum que se intitula “Sounds of a Playground Fading”, seguido pelos 2º e 3º temas “Deliver Us” e “All for Me”. Depois foi altura de músicas mais antigas como “Alias”, “Trigger” e “Only for the Weak”. O concerto acabou em força (e sem o esperado encore – gritava-se: “three more songs!”) com o dueto “Mirrors Truth” e “Take this Life”.
Foi uma grande noite na cidade invicta e serviu para provar a muitos que os IN FLAMES continuam em forma. Esperamos que façam uma visita à capital em breve!

 

Setlist:
1. Sounds of a Playground Fading
2. Deliver Us
3. All For Me
4. Trigger
5. Alias
6. Swim
7. The Hive
8. Quiet Place
9. Dead Ship
10. Fear Is The Weakness
11. Come Clarity
12. Only For The Weak
13. Delight and Angers
14. Cloud Connected
15. Mirrors Truth
16. Take This Life

Agradecimentos: Prime Artists

Texto e fotografias por Manuel Casanova.

Leave a Reply

Your email address will not be published.