Foi no passado domingo, dia de eleições, que o MusicBox recebeu os alemães LONG DISTANCE CALLING, que se estreavam no nosso país (embora no dia anterior tivessem tocado no Porto). A banda veio apresentar o seu mais recente álbum, Long Distance Calling (homónimo portanto), e trouxe consigo os portugueses LÖBO. Embora a sala ainda tivesse lugar para mais umas quantas almas, a plateia estava bastante composta.

Os LÖBO iniciaram o seu concerto à hora marcada, por volta das 22h00. Depois das alterações no line-up da banda, esta parece estar com um som mais coeso e interessante. A banda conta com um guitarrista, um teclista, um baterista e um baixista-guitarrista. A actuação da banda foi potente e majestosa, não deixando ninguém indiferente. Os jovens brindaram-nos com um som melódico, envolvente e por vezes pesado (embora nunca em demasia). É uma banda que o Ruído Sonoro recomenda a todos os apreciadores de boa música e que esperamos ter a possibilidade de ver novamente.

A transição das bandas foi rápida. Os LONG DISTANCE CALLING reveleram-se uma banda humilde e bem disposta desde o início, sorrindo e fazendo caretas ao público durante o line-check. Após o line-check, abandoram o palco deixando lá o baterista sozinho (e que baterista!). Assim se iniciou o concerto, com o primeiro single do mais recente álbum “Into the Black Wide Open”, no qual, logo durante os primeiros segundos, o público brindou a banda com um poderoso coro no verso: “No, it is not”. Com um dos guitarristas da banda, Florian Füntmann, sempre bem-disposto e enérgico, o concerto iniciou-se da melhor maneira, numa forte sintonia. A terceira música tocada, “I Know You Stanley Milgram”, foi dedicada aos LÖBO.
Os LONG DISTANCE CALLING são das poucas bandas dentro do tão falado Post-Rock que se conseguem destacar de outros (como Russian Circles ou Explosions in the Sky), talvez devido às suas influências variadas (por exemplo na faixa “Timebends” podemos encontrar influências de diversos estilos musicais, desde o funk, ao jazz e ao rock/metal progressivo).
Desde a fabulosa técnica do guitarrista principal, Dave Sustain, ao entusiasmo do guitarrista ritmo e do baterista, tudo indicava que o concerto seria algo para lembrar mais tarde.
O que é certo é que a banda deu um grande concerto, num ambiente familiar e amistoso, com um som brilhante e sem falhas, faltando apenas a música “Apparitions”. Após “Metulsky Curse Revisited” os alemães abandoram o palco, voltando pouco depois para tocar o seu grande êxito “Black Paper Planes”, na qual pudémos ouvir coros emocionados e sorrisos indestrutíveis. Os pontos altos do espectáculo foram o início do mesmo, a mais agressiva “Arecibo” (na qual Florian pediu ao público para se mexer um pouco) e o encore.
No fim do concerto a banda trocou algumas palavras com os fans, agradecendo a sua presença num domingo à noite e prometendo voltar.

Resumindo, foi uma noite bem passada que não deixou ninguém indiferente e que demonstra a evolução da música instrumental.

SETLIST:
-Into the Black Wide Open
-The Frigin D’an Boogie
-I Know You Stanley Milgram
-Invisible Giants
-Timebends
-Aurora
-Arecibo
-Metulsky Curse Revisited
-encore-
-Black Paper Planes

Texto e fotografias por Manuel Casanova.

One Response

Leave a Reply

Your email address will not be published.