Banda: Epica
Álbum: Design Your Universe
Lançamento: 2009
Editora: Nuclear Blast
Produtor: Sascha Paeth
Género: Symphonic Metal
País: Holanda

Membros:
Simone Simons – vocal
Mark Jansen – guitarra rítmica, vocal gutural
Isaac Delahaye – guitarra solo
Yves Huts – baixo
Coen Janssen – sintetizador, piano
Ariën Van Weesenbeek – bateria, vocal gutural

Participações no álbum
Tony Kakko – vocal – faixa White Waters
Amanda Somerville – vocal – faixa Unleashed (Dueto)(versão no  iTunes)

Alinhamento

  • Samadhi (Prelude)
  • Resign to Surrender (A New Age Dawns, Part IV)
  • Unleashed
  • Martyr of the Free Word
  • Our Destiny
  • Kingdom of Heaven (A New Age Dawns, Part V)

Hold in Derision
Children of the Light
Bardo Thödol
Paragons of Perfection
The Harsh Return

  • The Price of Freedom (Interlude)
  • Burn to a Cinder
  • Tides of Time
  • Deconstruct
  • Semblance of Liberty
  • White Waters” (com Tony Kakko de Sonata Arctica)
  • Design Your Universe (A New Age Dawns, Part VI)

Faixa bónus

  • Incentive

Faixa bónus no iTunes

  • Unleashed (dueto com Amanda Somerville)

Após uma pequena ausência, quanto ao que reviews diz respeito, da minha parte, cá estou novamente no activo para a apresentação de um dos álbuns mais esperados este ano na área de Symphonic Metal. Depois de um excelente trabalho, reconhecido unanimemente pela crítica que foi o álbum The Diviny Conspiracy, lançado em 2007, os Holandeses Epica, apresentam-nos nesta recta final do ano 2009 o seu novo registo intitulado Design Your Universe.

Na minha opinião os Epica desta vez tiveram um missão complicada ao realizar este álbum, isto a meu ver, porque se o Consign to Oblivion e o The Diviny Conspiracy são as duas grandes referências da banda, tudo o que envolvia o lançamento deste novo trabalho requeria uma mestria que teria que ser aproveitada de trabalho anteriores, neste campo os Epica e em particular Mark Jansen, conseguiram executar o objectivo proposto. Musicalmente irrepreensível, ao nível dos trabalhos anteriores. Algo que salta à vista com a primeira impressão ao álbum é que todas as músicas tem uma conotação mais pesada, mais guturais, guitarras mais destrutivas, e isto é algo que faz desta banda um caso peculiar, nunca deixando de lados as origens de formação e o não enveredar por composições líricas mais suaves, de boa interpretação, para os mais leigos, a não escolha do comercial. Nisto Epica tem a vantagem e o saber conjugar muito bem as sonoridades desenvolvidas.

A temática que compunha o antigo repertório da banda em termos líricos, envolvia Deus e as religiões, como um explanar  de pensamentos e sentimentos, isto foi algo que se alterou neste álbum, desta feita, Mark Jansen que é o compositor da banda (com participação de Coen Jansen), decidiu alterar a temática e lançar premissas mais subjectivas ainda que a religião, frases que chegam a ter entendimentos Sci-Fi tal a introspecção cientifica da composição. Em entrevista Mark Jansen explica essa mudança:

O título do álbum, “Desenvolve o teu universo”, fala sobre as novas descobertas da física quântica. É a prova de que estamos todos ligados uns aos outros, a nível subatómico. Além disso, mostra-nos que podemos criar, ou pelo menos influenciamos a criação com os nossos pensamentos (…) facto bastante interessante. Se o universo se altera por nós, todo o nosso mundo se desintegra quando aceitarmos os factos e os integraremos nas nossas vidas. Assim, tinha de ser este o título deste novo álbum.

Epica+++Design+Your+Universe+pr

Todas as faixas seguem um desenvolvimento na história imposta nas letras, onde existe uma marcação temporal delineada pelo prólogo e pelo epílogo do actos. O álbum começa com uma entrada de estilo clássico, hábito normal nesta sonoridades e que marca o avanço para a história. Para single e vídeo de lançamento (em destaque no nosso site) foi escolhida a terceira faixa do álbum e aqui destaco a excelente escolha, Unleashed. Esta faixa soa bem a Epica de outros álbuns, o que faz adivinhar o acarinhar dos fãs da banda na primeira impressão deste novo álbum. Em exclusivo para o iTunes, esta música foi produzida num dueto composto por Simone Simons e Amanda Somerville. Como já referi, este álbum consegue ser mais “pesado” que os anteriores trabalhos, apesar de ter fases melódicas que contrastam com um rapidez e perfeição de execução sublimes. As faixas variam muito na sua duração, por isso transparece a separação dos actos, por exemplo a sexta faixa, a mais longa do álbum, é um acto que se subdivide em cinco partes distintas. De fácil audição e de uma homogeneidade na composição, este álbum está excelente no seu enquadramento. De referir ainda a participação de Tony Kakko, vocalista de Sonata Artica na décima segunda faixa do álbum, a música White Waters, música esta de início melódico que marca um ambiente fantástico ao longo da mesma e da qual só se pode agradecer pelo excelente trabalho na integração de Tony no acto cénico.

Individualmente de referir a mestria impar da vocalista Simone Simons mas ainda algo que parece bem perceptível, que foi a adaptação e o melhorar bastante significativo do guturais de Mark Jansen, este último ponto muito importante, visto ser uma das grandes críticas que a banda sempre sofreu, devido ao défice de enquadramento em algumas das antigas produções. A dizer sobre este álbum resta pouco, apenas a vincada recomendação a um dos álbuns do ano no que ao mundo do Metal diz respeito. Aconselhadíssimo por mim e como tal a critica musical se o encarregará de comprovar com o passar do tempo.

Bons Sons!

Cumprimentos,
Ricardo Raimundo

Apreciação Pessoal: 8/10


EpicaQuantcast

Site oficial: epica.nl | MySpace: myspace.com/epica | Metal Archives: metal-archives.com

Related Posts

4 Responses

  1. Leandro Pinto

    Eu não guardava um 9 no bolso!

    O álbum está, de facto, divinal. A faixa que mais me agradou foi a White Waters, mas nenhuma das outras fica atràs no que toca à qualidade.

    Recomendável!

    Responder
  2. Ricardo Raimundo

    E sabes porque é que não caiu um 9? Apenas por duas “coisas” intituladas de “Consign to Oblivion” e “The Diviny Conspiracy”.

    Não querendo ser tendencioso na observação, na classificação ao álbum tenho em conta sim o que conheço. Apesar de eu próprio achar que este álbum estar cada vez mais audível a cada faixa novamente rodada!!!

    😀

    Responder
  3. EpicaFan (Nuno)

    Este album está realmente FANTASTICO, acho que não se podia pedir mais! Eu sou um grande Fãn dos EPICA desde 2003 e tenho seguido a carreira deles desde o innicio e posso afirmar que pessoalmente ainda não ouve qualquer CD deles que me tenha desagradado!

    Acho que este ultimo album vale pelo seu todo (do inicio ao fim).

    Aproveito para deixar aqui o contacto para quem gosta de EPICA do Fansite Oficial Português da banda:

    Responder
  4. Claudia

    Sem dúvida, um albúm espectacular, que na minha opinião não fica atrás dos anteriores, antes complementa-os e confirma a mestria da banda.
    A vocalista Simone Simons tem realmente uma voz excelente e uma grande presença em palco. Estive no concerto que os Epica deram em Portugal este ano e foi uma experiência única, que espero repetir o quanto antes.

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.